Resenha: A Última Carta – David Labs

Em 23.03.2015   Categoria: Resenhas

aultimacarta Após ler A menina que não queria ser top model da autora Lia Zatz, resolvi solicitar A Última Carta para a Editora Biruta.

Claro que você deve estar pensando: nada a ver um livro com o outro – mas você está enganado! A Biruta lançou alguns livros nacionais (se não me engano são 4) que não têm ligação alguma além das artes das capas – que, é claro, são maravilhosas – e das artes abstratas que surgem durante o livro, feitas pela Casa Rex. Como eu gostei dessas capas verde-limão e quero conhecer a história por trás de cada uma delas, resolvi partir para o segundo livro, que é do autor David Labs.

A Última Carta nos traz a história de Luda Glauben, contada ora pelo narrador do livro, ora por suas lembranças registradas em um diário que ela deixou com esse narrador e também por cartas, como não? A história que todos esses elementos contam é sobre a vida de Luda, que se via em uma posição complicada pois estava com seu destino marcado, já sabendo com quem deveria se casar por se tratar de um homem de uma família respeitada e rica, os Gentille. Acontece que Luda não é uma pessoa muito fácil e conformada e se revolta com tudo isso, principalmente após passar a receber cartas de um admirador secreto que se declara à ela.

Ela tenta de todo o jeito fazer com que não a obriguem a casar-se com Lucas Gentille e planeja fugir junto a admirador, para Paris. Após o primeiro encontro com o admirador, Luda já não tem o mesmo encanto enquanto conversava com ele somente por cartas, mas fará de tudo para sair de Vagas do Destino e de perto de seus pais.

Confesso que a leitura se arrastou um pouco do meio do livro para o final, mas talvez eu não lido no momento certo. É um pouco confuso também, se você não conseguir acompanhar o que é diário e o que são os achismos do narrador, mas aos poucos você vai se acostumando.

O modo como o narrador – vizinho de Luda – tenta desvendar tudo que ela escreveu no diário e o que estava nas cartas, através de diálogos imaginários, é feito de uma forma séria, que faz com que você também venha a usar a imaginação para ligar todos os pontos e tentar entender pelo que Luda passou durante a sua vida e a 2ª Guerra Mundial. Uma época que, com certeza, não foi muito fácil de ser vivida.

É uma história despretensiosa e que deve ser lida sem grandes expectativas, assim é possível se surpreender e tentar entender o que se passava na cabeça de Luda e de seu admirador. Um livro para desvendar mistérios, porém sem grandes reflexões.

Claro que não posso deixar de falar de todo o cuidado da editora com a capa e as ilustrações (como já falei lá no começo) e também o cuidado com a diagramação e revisão, sempre perfeitos. É desse cuidado que eu gosto e isso conta muito pra mim na hora de ler e resenhar um livro. Biruta e Gaivota sempre de parabéns!

A Última Carta
Páginas: 140 Editora: Biruta Nota: ★★★☆☆

Aviso legal: Esse livro foi cedido pela editora.