Resenha: Garotas de Vidro – Laurie Halse Anderson

Em 23.10.2012   Categoria: Resenhas

Garotas de Vidro – Wintergirls
Autora: Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Nota: ★★★★☆

Sinopse: Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda.

Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.

 

Um livro que mexeu muito comigo, trouxe milhões de emoções durante as páginas e me surpreendeu com a escrita de Laurie.

Se você tem estômago fraco nem pense em chegar perto desse livro. Se você tem medo/nojo/preconceito com quem se automutila para se sentir melhor, fique quilômetros de distância dele. Mas se você quiser uma boa história baseada em muitas histórias reais e aprender a não ignorar os sentimentos das outras pessoas e as diferenças delas, recomendo a leitura de Garotas de Vidro.

Em Garotas de Vidro somos apresentados à vida de Lia, uma garota magra, muito magra que não está nada contente com o seu corpo e muito menos com a sua vida. Sua melhor amiga, Cassie, acaba de morrer em um quarto de motel sozinha, sem saberem o motivo ou o que causou a morte dela até fazerem a autópsia dela.

Lia mora com seu pai e sua madrasta, Jennifer, que tem uma filha, Emma, que Lia ama muito e tenta ser um bom exemplo para ela. Ela foi morar com seu pai após ficar internada em uma clínica para voltar a ter um peso “saudável” (48) e sair da “perigolândia” (38,5), já que achava que na casa de sua mãe ela não melhoraria. Todas as terças feiras Jennifer tem que pesar Lia para ver se ela não está emagrecendo novamente, porém Lia trapaça costurando moedas em seu roupão antes de subir na balança para Jennifer anotar seu peso atual.

Lia não quer engordar, ela quer ser a garota mais magra, quer comer o mínimo possível e queimar o máximo de calorias, mas ninguém pode entendê-la, ninguém consegue enxerga-la como ela se enxerga: uma baleia, gorda, horrível, criançona e perdida.

Já entenderam tudo, né? Ela tem problema e não percebe isso, as pessoas querem ajudá-la, mas ela não quer ajuda. Sua melhor amiga morreu por conta de uma aposta entre as duas, e ela não tem medo de chegar no mesmo nível que Cassie chegou, mesmo com tantos sinais para ela parar de fazer o que faz e ser uma pessoa normal.

É durante toda essa confusão que entra Elijah, o cara que encontrou o corpo de Cassie no quarto do motel, já que era o quarto ao lado do que ele morava. Ele tenta ir atrás de Lia, mas esta finge ser outra pessoa ao procurá-lo no motel – tem medo do que ele possa querer com ela, mesmo que seja só passar um recado de Cassie.

Gostei muito do livro, ele me prendeu de uma maneira inacreditável e não acredito que demorei tanto para lê-lo. Laurie Halse consegue descrever tudo muito bem e me deixou sufocada em vários momentos, o que me fez devorar mil capítulos de uma vez por querer saber o que aconteceria em seguida. Li os agradecimentos dela e vi como ela pesquisou para poder escrever algo bem próximo da realidade – ou até real, porque sabemos que isso acontece com diversas pessoas.

Recomendadíssimo!