Resenha: Menino de Ouro – Abigail Tarttelin

Em 30.06.2016   Categoria: Resenhas

capa_meninodeouro “Max Walker tem uma vida perfeita… Max Walker tem um segredo…”

Max Walker é um menino prestes a fazer 16 anos. Ele é lindo, faz muito sucesso com as garotas da sua idade, é um aluno exemplar, capitão do time de futebol e é um amor de pessoa, tanto com a sua família quanto com os seus colegas. O único problema de Max é o segredo que ele precisa manter de todos, já que seus pais são advogados renomados e todos em Hemingway o conhecem… Apesar da autora ter tentado manter esse segredo com certo mistério, ele torna-se bem óbvio logo nas primeiras páginas: Max é intersexual (ou hermafrodita).

Este foi o primeiro livro que tive a oportunidade de conhecer um personagem com essa característica. Não conheço praticamente nada a respeito dessa situação, então foi tudo bem novidade pra mim, assim como foi para o próprio Max e sua família. Não é algo muito fácil de se lidar, principalmente quando praticamente ninguém pode saber e quando se atinge a idade de namoros, sexo e novas experiências. Max deixa o seu incômodo transparecer em todos os capítulos narrados por ele e dá para nos simpatizarmos a cada linha.

Apesar de não se sentir tão incomodado no começo, há um acontecimento horroroso (que é narrado com detalhes logo no início da leitura) que faz com que Max fique encucado e comece a pensar mais sobre sua situação e no que deveria fazer. Quando era pequeno, os médicos deram a opção aos pais, Karen e Steve, de escolherem qual sexo Max poderia ter. Eles optaram por deixarem essa escolha para o Max quando ele tivesse idade o suficiente, porém isso não é tão simples assim. Não é como Daniel, o filho mais novo, que nasceu menino e continua sendo um menino. Apesar de seu temperamento nada fácil de ser lidado, ele é “normal”…

Daniel, o irmão de de dez anos de Max é a personagem mais inocente do livro. Ele é totalmente fiel ao seu irmão, admirando-o quase que ao nível de ídolo e se preocupa bastante com ele. Ele é o único da família que não se esforça para ser perfeito, então acaba fazendo coisas como bater na professora e falar tudo o que pensa sem filtrar de forma natural, o que traz um pouco de leveza à história apesar de todo o restante do enredo.

Uma personagem muito importante na história é a Dra. Archie. Max a procurou para tratar de dores que estava sentindo e ela acabou se interessando muito pelo caso dele, fazendo com que estudasse mais sobre as pessoas intersexuais.

Sylvie é uma garota doce e que acaba se apaixonando por Max após encontrá-lo na porta da clínica da Dra. Archie. E o sentimento é recíproco após eles passarem um tempo juntos. Max tem muito medo em todos os momentos que o clima entre ele e qualquer garota fica quente – e conseguimos sentir toda sua angústia em todas as vezes que ele comenta sobre isso. Dá para imaginarmos o que poderia acontecer com Sylvie, se não fosse um obstáculo maior ainda: uma bomba logo no final da primeira parte, que pode mudar todo o rumo da história…

O livro é dividido em 3 partes e a narrativa é em primeira pessoa, porém intercalada entre Max, Daniel, Sylvie, Archie, Karen e Steve. A autoria construiu a identidade de cada personagem de uma forma sutil e rasa, porém não acredito que seja um ponto negativo, já que a trama principal se manteve em todos os capítulos/com todos os narradores, sem que algo fosse perdido.

Não é uma leitura tão tranquila e também não acredito que seja para qualquer público. Existem partes realmente tensas e que podem não agradar a todos, mas a curiosidade com certeza fará com que diversas pessoas sintam vontade de conhecer este universo de Max.

Menino de Ouro – Golden Boy
Páginas: 384 Editora: Globo Nota: ★★★★☆

Aviso Legal: A resenha original foi publicada no Livros em Série e o livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia.