Resenha: O bebê de Bridget Jones: Os diários – Helen Fielding

Em 16.03.2017   Categoria: Resenhas

ATENÇÃO! SE VOCÊ NÃO LEU “O DIÁRIO DE BRIDGET JONES” NEM “BRIDGET JONES: NO LIMITE DA RAZÃO” E NEM “BRIDGET JONES: LOUCA PELO GAROTO” ESSA RESENHA PODE CONTER SPOILERS.

O bebê de Bridget Jones: Os diários é o quarto livro da série Bridget Jones da autora britânica Helen Fielding e, assim como o primeiro e o segundo, também já ganhou adaptação cinematográfica. Na verdade, o filme acabou saindo antes do livro, o que é um tanto quanto estranho para os fãs da série literária. O livro muda um pouco o formato em relação aos outros dois, uma vez que ela está escrevendo um diário para seu filho ler quando ficar mais velho. Ela diz que vai entregar este e os outros diários que ela escreveu ao longo dos anos para ele entender um pouco da vida maluca dela.

Não estranhe que eu esteja resenhando o quarto livro antes do terceiro. Não esqueci dele não! Acontece que, estranhamente, o terceiro livro, “Bridget Jones: Louca pelo garoto”, se passa no futuro, com Bridget aos 50 anos, já com filhos e tudo mais. Acredito que, se a autora tivesse pensado antes na história deste aqui (que pelo jeito só foi publicado por conta do filme), ela teria lançado na ordem “correta”. O que estou querendo dizer é que não importa a ordem de leitura entre o terceiro e quarto livros, OK?

Bridget viveu diversas situações nos anos que se passaram. Ela quase casou com Mark Darcy, quase se envolveu novamente com Daniel Cleaver e quase se livrou de seu chefe-machista, Richard Flinch. Encontramos nossa protagonista a caminho do batizado de Molly, a filha mais nova de Magda, que será sua nova afilhada – e afilhada também de Mark. Ela não o vê há cinco anos e não sabe se está preparada para este “evento”, mas tenta encarar como apenas mais um batizado (aparentemente ela tem uma grande coleção de afilhados).

É óbvio que tudo era lindo na teoria, mas quando ouviu comentários sobre Mark estar divorciado, aquela “chama adormecida” reacendeu, uma coisa levou à outra e, de repente, lá estavam eles novamente na cama, como se nada tivesse mudado nos últimos cinco anos. Pena que Mark não quis levar adiante e voltamos à Bridget rejeitada e velha demais para seguir em um relacionamento. Ou será que não?

Como o destino gosta de brincar com os sentimentos das pessoas, Bridget acaba cruzando com Daniel em uma festa de premiação e, assim como aconteceu com Mark, uma coisa levou à outra e, de repente, lá estavam eles novamente na cama.

Já dá para imaginar a zona, não é? Bridget obviamente descobre que está grávida e fica louca sem saber quem pode ser o pai. Daniel teria capacidade de seguir com um comprometimento desses? Bridget conseguiria criar um filho junto de seu ex-chefe galinha e irresponsável? E Mark? Ele seria um ótimo pai, mas qual seria sua reação ao saber que tem 50% de chance de ser pai e os outros 50% são de Daniel, o cara que ele mais despreza no mundo?

Pelo fato de Bridget estar em uma idade avançada, sua gravidez é de risco e, para fazer um teste de DNA seria necessário realizar uma amniocentese. Como existe um pequeno risco de aborto ao realizar este “exame”, Bridget decide não seguir em frente e só descobrir quem é o verdadeiro pai de seu filho quando ele nascer. OK, decisão justa, mas como contar para os dois o que está acontecendo?

O que segue é um relato divertido de Bridget indo a exames de ultrassom com Mark e Daniel (separadamente), fazendo aqueles cursinhos básicos de como cuidar de recém nascidos – os três juntos e, claro, tendo que contar a sua mãe sobre a situação toda (o que não será nada fácil) – além do seu trabalho que poderá ser afetado tanto pela gravidez quanto pela nova “chefe” que chegou ao departamento.

Só ficamos realmente sabendo quem é o pai após o nascimento do bebê, mas rola aquela torcida para que seja de um deles… Apesar de a cada capítulo conhecermos diversos lados dos dois e mudarmos de opinião toda hora, no final queremos que seja especificamente um deles e que isso faça com que Bridget tenha um futuro melhor do que seu passado e presente. Um filho pode trazer diversas alegrias e torcemos pela felicidade dela, certo?

Dos três livros que li da série esse foi o que mais gostei. Incrivelmente eu li em 2 dias (porque precisava trabalhar, senão acho que teria lido em uma “sentada”) e fluiu bem. Me vi até rindo! Não sei se pelo fato de ter sido escrito na ~atualidade~ (já que o primeiro foi escrito há 20 anos), mas a história fluiu bem mais facilmente do que as outras.

Assisti ao filme há alguns dias e fiquei super decepcionada. Mudaram bastante a história, colocaram um novo personagem no meio (Patrick Dempsey) e isso meio que perdeu a essência da “graça” de ter dois arqui-inimigos brigando pela paternidade de um filho. Sei que Hugh Grant teve diversos problemas e teve que deixar de atuar, mas podiam ter feito algo diferente – já que Helen demorou tanto para escrever o livro e o lançou após a estreia do filme, podia muito bem ter seguido o mesmo “roteiro” no livro, né? Ou vice-versa. Enfim, para quem for assistir ao filme, não importa se lerá antes ou depois, já que são histórias praticamente diferentes.

O bebê de Bridget Jones: Os diários – Bridget Jones’s Baby: The Diaries
Páginas: 208 Editora: Paralela Nota: ★★★☆☆

Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o site Livros em Série.


MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Seleção de Livros! Clique e confira.