[BEDA] TAG: Me conhecendo melhor

Em 11.08.2017   Categoria: BEDA, Memes

Olha só quem pulou um dia de BEDA e nem vai tentar se redimir. Não deu tempo, não tive saco pra pensar em um post legal e não tinha nada a não ser responder tag ou falar de música (de novo), então pulei um dia mesmo, fazer o quê.

Mas para não ficar dois dias seguidos sem post, sexta-feira foi nomeada o dia das TAGs. Buscando uma para responder hoje, encontrei o blog da Isadora (E agora, Isadora?) e vi uma daquelas TAGs old but gold de responder perguntas pessoais. Então é isso que tem pra hoje.

tag me conhecendo melhor

1. Você se considera uma pessoa do dia ou da noite?

Ultimamente nenhum dos dois HAHA Eu prefiro a noite, mas eu ando tão cansada que as noites têm sido bem curtas.

2. Você coleciona alguma coisa?

Livros não lidos, hehe.

3. Qual era o seu programa preferido quando criança?

Castelo Rá tim bum e Rá-Tim-Bum.

4. Sobre o que você pensa antes de dormir?

Se é dia de semana eu penso em tudo que preciso fazer no trabalho no dia seguinte, se é final de semana eu penso ou no casamento ou no apartamento.

5. Qual a sua cor favorita?

Antigamente eu diria “rosa” sem nem pensar. Hoje fico entre essa, azul e verde, sem conseguir escolher uma só.

6. Você é viciada em algum vídeo, game ou jogo de computador?

Candy crush não sai do meu celular e nem Shuffle cats.

7. Você tem algum hábito ruim?

Buzinar/xingar para/as pessoas no trânsito.

8. Você tem irmão ou irmã?

Tenho uma irmã mais nova. Ela até já apareceu no blog falando sobre o intercâmbio que ela fez, mas ela abandonou total e ficou tudo pela metade HAHA

9. Você tem alguma tattoo ou piercing?

Tenho só um “teste” de tatuagem no tornozelo que até agora não consegui substituir por uma de verdade. Mas em muito breve…

10. Qual a sua flor favorita?

Difícil porque eu não gosto de praticamente nenhuma, mas vamos no Hibisco.

11. Quando pequena, o que você queria ser quando crescesse?

Veterinária ou professora. Olha onde estamos, nada a ver com nada haha.

12. O que você guarda embaixo da cama?

Livros e apostilas de faculdade/pós e toalhas/lençóis.

13. Você se considera organizada ou bagunceira?

No “mundo real” sou meio bagunceira, mas no “virtual” sou totalmente organizada. Meu computador, e-mails e etc são 100% organizados; já meu quarto/armários…

14. Se você pudesse viver em qualquer lugar do mundo onde seria?

Eu sempre quis morar no Canadá, mas ultimamente tenho sonhado muito com Portugal.
Mas se fosse para morar em algum lugar sem precisar trabalhar, eu escolheria Orlando ou Londres.

15. Qual o seu filme favorito?

Grease!

16. Qual o ator ou atriz que dizem que você se parece?

Antigamente falavam que eu parecia a Jojo (atriz/cantora), mas acho que hoje em dia não pareço com ninguém.

17. Diga uma coisa que as pessoas não sabem sobre você.

Muitas já sabem, mas às vezes é um espanto quando falo essas duas coisas: tenho medo de avião e detesto Nutella.

18. Qual a última mensagem do seu celular?

VIVO Internet: 1831 MB disponível de 2048 MB.

beda


[BEDA] Viagem pela Suíça: Zurique, Berna e Lucerna

Em 09.08.2017   Categoria: BEDA, Viagens

Chegamos em Zurique no dia 8 de julho, há um mês, nossa porta de entrada na Europa. O voo de São Paulo para Zurique foi direto e teve uma duração de mais ou menos 11 horas e meia. Depois de passarmos pela imigração (que foi super tranquila com os nossos passaportes portugueses – apesar da Suíça não fazer parte da União Europeia), compramos bilhetes para um bondinho nos levar até a estação central de trem e de lá buscamos a informação de como faríamos para chegar ao hotel.

viagem - suíça

Vou “pausar” a aventura aqui para fazer uma observação totalmente pessoal e que precisa ser dada logo de cara: apesar de sabermos que em nenhum outro lugar do mundo as pessoas recebem os turistas tão bem quanto no Brasil ou outro país da América Latina, é sempre um choque quando encontro pessoas que trabalham com serviço de informação e/ou vendas tratarem mal os clientes. Principalmente em uma cidade grande como Zurique que é a porta de entrada na Suíça para os estrangeiros. Principalmente 2 porque eu expliquei tudo que eu queria direitinho para o cara que nos vendeu os bilhetes e ele nos respondeu totalmente errado e de mau humor. Resumindo: pagamos muito mais por um serviço que poderia ter saído super barato, ele nos fez pegar trem errado e descer em estação errada e ficamos “camelando” no calor insuportável da Suíça por umas 3 horas com malas e cansados da viagem feita durante toda a noite.

estação trem errada - zurique

Contratempos a parte, chegamos no hotel (nos hospedamos no Florhof), tomamos um banho, descansamos um pouco e saímos para conhecer um pouco de Zurique, que começou a ficar menos quente lá pelas 7 da noite e até que deu para andar HAHA Paramos para jantar no Zeughauskeller e de cara já fomos no tradicional schnitzel (nada mais que uma carne à milanesa – o meu de frango, é claro) e batata rösti. Comida deliciosa, mas o que achei estranho foi termos que compartilhar a mesa com pessoas que nunca tínhamos visto na vida. Depois fui pesquisar e entendi que é um costume bem comum de restaurantes superlotados em que você não fez pré reserva eles compartilharem mesas entre os clientes para não deixar a fila de espera enorme.

schnitzel e rösti

Após o jantar, demos uma volta pela cidade para apreciar um pouco a vista. Passamos pelo centrinho e por algumas pontes que cruzam o rio Limmat.

centro de Zurique

Zurique, Suíça

Enfim, chegamos à praça Sechseläutenplatz, em que fica a casa de ópera Opernhaus Zürich. Como ainda estava claro (no verão escurece mais ou menos às 10 da noite) muito calor e tinha wifi público bom, pegamos um sorvete e ficamos sentados nas cadeiras que ficam espalhadas pela praça, apenas vendo o pessoal passar (europeu adora fazer isso, chega a ser engraçado haha).

Sechseläutenplatz - Zurique

Voltamos para o hotel e fiquei pesquisando o que fazer no dia seguinte. Chegamos à conclusão que visitaríamos a capital da Suíça, já que não era tão longe e daria para ir tranquilo de trem em um “bate-volta”. É aqui que você para e se pergunta: “Mas a capital da Suíça não é Zurique?”, pois então, não é não! É como se fosse no Brasil: não é porque a porta de entrada é São Paulo ou Rio de Janeiro que elas são as capitais, né? Mesma coisa lá! Zurique é o maior polo econômico do país, mas a capital fica um pouquinho a sudoeste e não tem cara nenhuma de capital.

continue lendo

[BEDA] Resenha: Antes que eu vá – Lauren Oliver

Em 08.08.2017   Categoria: BEDA, Resenhas

antes que eu vá Que decepção finalizar um livro depois de tanto tempo esperando pela sua leitura achando-o bem ruinzinho. Desde que ele foi lançado eu tive vontade de lê-lo e, quando o dia chegou, demorou a passar para que eu finalizasse e me decepcionasse bastante. Não me levem a mal, talvez se eu tivesse lido na época em que realmente queria, eu teria achado um pouco melhor, mas como minha cabeça já mudou um pouco desde então, achei fútil e inútil. Sim, curta e grossa, desculpem haha

Antes que eu vá nos apresenta a protagonista Samantha Kingston. Jovem perfeitinha e popular do colégio, ela é aquele tipo de menina que infelizmente, já estamos acostumadas a encontrar em diversos dramas e comédias norte-americanos: acompanhada por algumas outras amigas populares – Lindsay, Elody e Ally – tem aquele jeito maldoso e a costumeira mania de praticar bullying com os outros.

Nos encontramos no dia 12 de fevereiro e hoje é o dia da morte de Sam, mas ela ainda não sabe disso. Após um dia cheio de anseios (é hoje que ela finalmente vai transar com o namorado e deixará de ser virgem!), depois de receber diversas rosas pelo dia do Cupido e de ir a uma festa em que coisas estranhas acontecem, ela irá morrer em um acidente de carro junto a suas três melhores amigas. O problema é que algo muito estranho acontece após a temida morte: Samantha acorda no dia seguinte, mas não é o dia seguinte. É exatamente o mesmo dia 12 de fevereiro. Ela passa o dia estranha, tentando entender o que está acontecendo, acreditando que o dia anterior foi apenas um sonho, mas quando o final dele é exatamente o mesmo, ela começa a entender que está presa nele (dia da marmota, sim).

Talvez para você haja um amanhã. Talvez para você haja mil amanhãs, ou três mil, ou dez, tanto tempo que você pode se banhar nele, girar, deixar correr como moedas entre os seus dedos. Tanto tempo que você pode desperdiçar. Mas para alguns de nós só existe hoje.

Sam tenta entender o que está acontecendo e o que pode fazer para tentar mudar o final dessa história. Ela então tem 7 dias “repetidos” para tentar mudar o que aconteceria durante ele para tentar entender porque ainda está presa aqui no mundo. O problema é que ela demora demais para perceber o que deveria fazer e isso começou a irritar um pouco durante a leitura.

É claro que ela vai percebendo o que era óbvio: ela e as amigas são más até demais com diversas pessoas e ela nem ao menos sabe o porquê disso. Durante esses 7 dias ela vê uma oportunidade de conhecer melhor algumas outras pessoas do colégio e tentar mudar o rumo do dia. Um dia ou outro até é legal de acompanhar, principalmente os que envolvem Kent (eu gostei bastante dele!), mas outros são repetitivos e não dá para ver onde a autora quer chegar mostrando somente o lado “bullying” da história.

A história é narrada em primeira pessoa e isso facilita um pouco a fluidez, porém é meio chato acompanhar uma personagem fútil e a babação toda que ela tem pelo namorado nada romântico/legal. Dá vontade de dar uma boa sacudida nela para fazê-la enxergar o que aparentemente ela não vê de forma alguma. O lado bom é que conforme os dias vão passando/se repetindo, ela começa a mudar um pouco e ser mais humilde – talvez assim ela consiga entender o que precisa fazer para “descansar em paz”.

O livro no geralzão não é tão ruim, mas achei bem fútil e mais do mesmo. Quantos livros temos de grupinho de meninas malvadas que praticam bullying no colégio? Apesar da premissa ser interessante, a autora pecou na repetitividade e na construção fraca de diversas personagens. Eu reduziria bem as páginas, mas tentaria montar um enredo melhor para cativar os leitores, que seria mais certeiro.

Após ler o livro, fui assistir o filme e a decepção foi maior ainda. Além de terem mudado alguns dos melhores elementos do livro, as atuações são péssimas e dá vontade de chorar de tão ruim que o longa é. Eu dormi em duas das vezes que tentei assistir inteiro – quase demorei a mesma quantidade de dias repetitivos da Sam para finalizar HAHAHA

Antes que eu vá – Before I fall
Páginas: 360 Editora: Intrínseca Nota: ★★★☆☆

beda


Página 4 de 71234567
MyFreeCopyright.com Registered & Protected

Seleção de Livros! Clique e confira.