TAG: “Onde eu iria…”

Em 02.06.2016   Categoria: Memes

Faço parte do grupo “Bloggers Out and About” há um tempinho já, mas ainda não tinha participado de nenhuma blogagem coletiva. Ontem as administradoras disponibilizaram os temas do mês e eu gostei de todos, mas não sei se conseguirei postar os 3 haha Vou começar por essa TAG, “Onde eu iria…”, que é o post mais fácil de fazer e achei a proposta interessante.

Tomar um café

Starbucks (qualquer unidade)

Starbucks
Imagem via: Flickr – NJFJC Guimarães

Pode chamar de modinha, caro, não vale pelo que é ou o que quiser, mas Starbucks é e sempre foi minha cafeteria favorita. Pra ir sozinho, depois do almoço com o pessoal do trabalho, pra se esquentar antes de ir pra casa no final do dia ou simplesmente pra passar e pegar um copo e sair tomando. Eu gosto do clima da cafeteria, dos sofazinhos, do wifi livre e, obviamente, dos cafés quentes, dos frappuccinos e dos doces (muffins, cookies, cinnamon rolls e etc). Se for pra escolher uma favorita, fico com a unidade da Alameda Santos (a da foto), pertinho da Paulista <3

Passear ao ar livre

Parque Ibirapuera

Parque Ibirapuera
Imagem via: Equipe News

Faz muuuuito tempo que não vou até lá, mas gosto pra caramba desse parque. É ótimo pra caminhar, andar de bicicleta, fazer um piquenique ou apenas sentar na grama e ficar lá sem fazer nada. Quero ver se quando passar o frio vou até lá fazer qualquer uma dessas coisas haha

Beber com os amigos

O’Malley’s – Home away from home!

omalleys
Imagem via: Doce Veneno

Desde a primeira vez que fui a esse pub eu me apaixonei. Sempre tem aniversário de alguém (o meu mesmo rs) ou apenas encontro com os amigos para assistir a algum jogo de futebol (tipo a final da Champions League do final de semana passado) regado a cerveja (menos pra mim que não gosto haha), fish and chips e gringos.
Gosto muito de lá por ser um bar com um ambiente legal, preços bons e com bons frequentadores haha Além de ser pertinho da Paulista, o que facilita o acesso de muita gente e ainda permite você a dar uma voltinha pela avenida depois que sai de lá <3

Num encontro romântico

Monte Verde – Minas Gerais

entradademonteverde
Imagem via: Pegue Sua Mochila

Acho a cidade super romanticazinha e o clima de frio ajuda muito nisso, né? Aliás, fui pra lá mês passado e contei tudo aqui no blog. Obviamente que não precisa ir longe pra ter um encontro romântico. Um restaurante já basta, mas sou exagerada mesmo haha

continue lendo

5 brinquedos que eu queria ter guardado para meus filhos

Em 29.10.2014   Categoria: Memes

Ah, a infância *música de nostalgia*… Tantos brinquedos marcaram minha infância, tantos guardei, outros dei, e aí bate aquele arrependimento porque eu poderia muito bem ter guardado para meus filhos conhecerem e se divertirem como eu. Mas tudo bem, quem sabe não relançam, né?

Um dos memes do Rotaroots desse mês, em comemoração ao dia das crianças (sim, eu sei que já passou) é listar 5 brinquedos que eu gostaria de ter guardado para mostrar pros meus filhos. Foi difícil escolher, mas eis minha lista:

Banco Imobiliário (original)

bancoimobiliario

Sem toda essa modernidade de cartão, o esquema é dinheiro em papel e ser esperto de ser o banco pra dar aquela roubadinha básica! hahaha Brincadeirinha ou não. Mas o Banco original é o melhor e eu amava jogar, apesar de durar mil horas, achava super divertido e gostaria que eles esquecessem essa parte de cartão de crédito e voltassem com o dinheiro, pra fazer a cabecinha das crianças pensar né? rs

Cara a Cara

caraacara

Ai, cara, sem comentários, como eu AMAVA esse jogo! Deu até vontade de jogar novamente, sério mesmo. Por favor, me digam que todos vocês já tiveram a oportunidade de jogar.

Quebra Gelo

quebragelo

Gente, jogo épico! Todas as amiguinhas que iam em casa não iam embora sem jogar isso antes! Lembro de ter jogado até o ursinho descascar haha

Lince

lince

Vou confessar que esse eu jogava até sozinha hahaha sério! Meus pais não tinham lá muita paciência pra jogar esse tipo de coisa o tempo todo, então o jeito era me divertir sozinha mesmo. Acho jogo desse tipo legal porque te faz pensar. É meio que um jogo da memória, mas com um certo tempo.

Bichinho Virtual (Tamagotchi)

tamagotchi

Ahá, acharam que eu tinha esquecido desse, né? Não tem como! Todo mundo teve um tamagotchi, todo mundo levou escondido pra escola e todo mundo chorou quando a bateria acabou, colocou no freezer e mesmo assim não voltou. Sdds <3

Esse post faz parte da blogagem coletiva de Outubro do Rotaroots.
Para ler os demais posts coletivos clique aqui e, se quiser participar, inscreva-se no Rotation.


#StopTheBeautyMadness e a falta de aceitação

Em 19.09.2014   Categoria: Pessoal

Eu estou escrevendo essa observação antes de começar a pensar no post, mas já aviso: vai ficar grande.

Antes de mais nada, se a hashtag #StopTheBeautyMadness é uma novidade para você, já preciso adiantar que você não é desse mundo ou que as pessoas que você tem nas redes sociais e postaram foto sem maquiagem e não acrescentaram essa hashtag, não sabem nada sobre o porquê da campanha e participaram pra receber likes. Esse não é o intuito desse post, como tudo aqui no blog. O intuito dele é desabafar um pouco e participar da blogagem coletiva do mês do Rotaroots.

#stopthebeautymadness

Se você realmente não sabe qual é o objetivo da campanha, vou copiar do site resumir: a campanha foi criada pela escritora norte-americana, Robin Rice, e ela a resume com: “Estamos aqui para criar uma nova cultura em torno de beleza”. A intenção é fazer com que as mulheres se sintam bem sem precisarem se preocupar com os padrões de beleza impostos pela própria sociedade “mídia”. Aceitar-se.

Mas e quando você simplesmente não consegue? Quando você participa da campanha, mas não consegue se identificar 100% com ela? Quando você lê mil posts sobre isso, com todo mundo afirmando que não se preocupa com “a sociedade” e com os padrões de beleza, mas você não acredita? É, é sobre esse lado que eu vou falar.

A minha ~história de gordinha~ vocês já conhecem e eu não vou ficar repetindo aqui sobre como foi a minha infância e etc. Eu realmente não ligo nem um pouco sobre não estar na moda, usar jeans, camiseta e tênis todos dias (agora não mais porque tenho que ir de social no trabalho ~cry) e não ligo em não usar maquiagem (não tenho paciência e muito menos habilidade). Mas quando as pessoas mexem com o meu peso, com a minha estrutura corporal, quando falam que minhas coxas são grandes ou que tem uma dobrinha saindo da calça e eu estou horrível naquela roupa porque está marcando minhas ~gordurinhas~, aí, amigos, é onde a coisa pega.
É nessa parte que eu não consigo ligar o interruptor do “foda-se” e seguir a vida como se isso não me atingisse, porque, surprise surprise, atinge. E eu aposto que atinge a muitas, mesmo às que fizeram posts dizendo que não… No fundo, quando você chega em casa e lembra de algo que falaram pra você, você chora. Aí você quer se afogar nas mágoas, tomar 1 litro de sorvete, comer todas as barras de chocolate do mundo porque você está gorda – e aí você engorda ainda mais.

Tem dias que eu consigo superar, de verdade. Consigo ouvir dos familiares e amigos que, quotando o post da Patty, “você ficaria linda se emagrecesse” ou “você tem um rosto lindo, arrasaria magra” ou qualquer outra coisa nesse nível. Eu tento levar pro lado do “é pro seu bem” e vou lá me matar em dietas e academia.

Não, eu não sou dessas que aceita que está fora do peso e não, eu não me sinto bem assim. Eu estaria mentindo se dissesse que estou tentando mudar por mim e para mim e só por isso, mas o olhar dos outros tem uma grande parcela de culpa nessa minha preocupação toda sim.

O problema é quando as pessoas fazem isso pra realmente te atingir ou se sentirem superiores. Tem gente que tem prazer em jogar na sua cara os seus defeitos, quando elas não os têm (os mesmos, né, porque todo mundo tem defeito). E é exatamente por conta dessas pessoas que a cada dia mais pessoas estão neuróticas e os casos de bulimia, anorexia e depressão aumentam sem parar.
Imagina só o quão desocupada e sem graça a vida da pessoa deve ser para ela se preocupar com a sua aparência sendo que isso não muda absolutamente nada para ela?

Eu tentei queria realmente fazer um post super apoiando a campanha e me identificando com ela. Mas acho que eu preciso de um choque maior, de umas puxadas de orelha e de alguns elogios de verdade para ver se acordo pra vida e começo a deixar tudo de lado… Ou não! E se eu quiser emagrecer para me sentir bem e fazer com que as pessoas parem de falar que eu ficaria bonita se fosse magra? E se eu quiser mostrar para os outros que quando eu quero, eu consigo? E se eu precisar disso pra me motivar e atingir meu objetivos?

Eu já não sei mais se esse post está fazendo sentido hahaha Mas o que eu quero dizer é que tudo bem você querer se enquadrar aos padrões de beleza. Tudo bem se você quiser sair maquiada. Tudo bem se você quiser fazer a dieta da lua (come tudo, menos a lua), desde que seja pra você. Eu tento cada dia falar isso pra mim mesma. Me olhar no espelho e repetir: estou fazendo isso, estou me esforçando, para me sentir bem. Para poder sair por aí sem me preocupar com gordurinhas fora da calça ou em ficar “colocando a barriga pra dentro e o peito pra fora”. Quero fazer com que eu me dedique mais aos meus projetos pessoais para conseguir seguir com outros me sentindo bem comigo mesma. Quero acabar com essa loucura da beleza, mas só depois que eu me sentir bem; só depois que eu conseguir me aceitar. Porque se eu não me amar, quem vai? A sociedade é que não, não é mesmo?

Eu admiro muito quem consegue passar por cima de tudo isso e se sentir bem, não se preocupar com o manequim do dia e nem ao escutar uma “cantada” na rua no nível de “que gordinha linda”. Mas desculpem, eu não consigo. Eu não consigo levantar a cabeça e continuar o meu dia se assim que virar a esquina ouvir alguma coisa desse tipo, ao invés de um “bom dia”. Mas com tantos posts lindos sobre esse assunto, com tantas visões diferentes, eu estou realmente tentando mudar para conseguir, num próximo post, mostrar pra vocês que eu não tenho vergonha de mim, do meu corpo ou do meu peso para sair por aí, tirar qualquer tipo de foto e publicar no Facebook.

Eu prometo a mim mesma que vou conseguir fazer isso, podem aguardar :)

Esse post faz parte da blogagem coletiva de Setembro do Rotaroots.
Para ler os demais posts coletivos clique aqui e, se quiser participar, inscreva-se no Rotation.


Página 1 de 3123