Resenha: Tudo o que nunca contei – Celeste Ng

Em 08.06.2017   Categoria: Resenhas

tudo o que nunca contei “Lydia está morta. Mas eles ainda não sabem disso. Dia 3 de maio de 1977, seis e meia da manhã, ninguém sabe nada a não ser por este fato inofensivo: Lydia está atrasada para o café da manhã.”

É com esta frase que iniciamos a leitura de Tudo o que nunca contei e conhecemos a família Lee. Estamos em Ohio, Estados Unidos, em uma época de grande segregação racial: 1977. A família Lee é composta por Marilyn (americana), James (americano, porém filho de pais chineses), Nath (o filho mais velho), Lydia (a filha favorita) e Hannah (a filha-invisível).

Como você provavelmente já sabe, nesta época a sociedade era bem machista e racista. As mulheres eram criadas com a intenção de serem boas esposas e mães, somente os homens eram vistos com bons olhos no trabalho e famílias com misturas de “raças” sofriam um grande preconceito. Apesar disso, Marilyn sempre quis desviar do futuro que a mãe queria para ela: nada de encontrar um marido rico, ficar em casa cozinhando ovos de todos os jeitos ou ser uma boa mãe para seus quinhentos filhos. Ela queria ser médica e iria estudar e ralar para isso.

Bem, ao menos era o que ela pensava, até conhecer James, seu professor. A paixão foi tão instantânea que Marilyn acabou engravidando e casando-se com James – enfrentando todos os preconceitos e rejeições, inclusive de sua mãe. Precisando cuidar de uma criança, Marilyn acabou deixando os estudos de lado e passou a ser “dona de casa”. Logo em seguida veio Lydia e, com o falecimento da mãe de Marilyn, ela voltou a pensar em muitas coisas do passado que ela acabou deixando para trás para conviver com a sua família.

A narrativa não segue uma linha do tempo, em uma página estamos vendo o desenrolar do mistério da morte de Lydia e na seguinte somos jogados de volta ao passado para entender como tudo começou – o que ajuda a desvendar os segredos e sentimentos de Lydia, mesmo quando ela ainda não era nem nascida. Acontecimentos do passado são relatados por todos os integrantes da família, de James a Hannah, e vamos montando um quebra-cabeça para conhecer a história de Lydia, que não teve a chance de se apresentar para o leitor.

Fica muito clara a obsessão de James e, principalmente, de Marilyn sobre a Lydia. A mãe quer que a filha seja o que ela não conseguiu ser, que seja diferente dos padrões, inteligente, tenha uma carreira e seja a melhor de todos. James quer que ela seja popular, para provar que não importa se é americano puro, sino-americano ou o que quer que seja – ele sabe que ela é uma menina doce e sua ascendência não será um empecilho para todos gostarem dela.

Mas livros de presente, notas máximas nas provas e telefonemas falsos dos amigos não fazem com que Lydia se sinta feliz e enturmada. Jack, colega de classe e vizinho, até tenta entrar na vida dela, mas precisa ter muito cuidado ao se aproximar com Nath por perto. Jack é um caso de amor e ódio, em momentos você o admira e em outros tem vontade de dar uns bons tapas, mas ele tem um papel muito importante na história toda. Aliás, será que ele poderia estar envolvido com o incidente da morte de Lydia?

O lado “policial” da trama não é muito explorado, uma vez que a intenção aqui é mostrar realmente o lado familiar – então não espere nenhum thriller ou mistério policial, porque não é nada disso. O livro é totalmente voltado para o drama familiar, a influência de escolhas e o quanto as aparências nem sempre são o que parece.

Tudo o que nunca contei – Everything I never told you
Páginas: 304 Editora: Intrínseca Nota: ★★★★☆

Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o site Livros em Série.


Resenha: Fogo contra fogo – Jenny Han & Siobhan Vivian

Em 23.03.2017   Categoria: Resenhas

ATENÇÃO! SE VOCÊ NÃO LEU “OLHO POR OLHO” NEM “DENTE POR DENTE” ESSA RESENHA PODE CONTER SPOILERS.

fogo contra fogo Preciso iniciar essa resenha avisando que eu li o segundo livro da trilogia, Dente por dente, em 2014 e, naturalmente, esqueci muita coisa. Tive que reler os últimos capítulos antes de iniciar este último livro. É muito ruim quando você começa a ler uma série ou qualquer história que tenha sequência e a editora demora tanto para lançar a continuação. Você acaba lendo outros livros entre eles e acaba esquecendo uma coisa ou outra, né? Bem, agora que os três livros já foram lançados, você pode ler tudo de uma vez.

Em Fogo contra fogo estamos logo de cara no funeral de Rennie. Após tudo o que aconteceu na festa de Ano Novo, o clima na Ilha Jar não é nada bom. Lillia e Reeve estão tentando esconder o sentimento que sentem um pelo outro, além de certa vergonha por terem ficado juntos quando não deveriam nem pensar nisso. Kat está se sentindo mais sozinha que nunca e ninguém parece notar que a morte de Rennie também a afetou. E onde está Mary nesse meio todo?

O final do segundo livro deixou claro que havia algo estranho e sobrenatural com Mary, mas não tivemos muitas explicações. Não sei se posso falar exatamente o que é, ainda não consegui definir se isso seria um spoiler ou não, então vou preferir deixar em aberto aqui também. O que não mudou foi a sede de vingança de Mary por Reeve. E assim que ela descobre o envolvimento de Lillia com ele, Mary fica possessa. Mais louca ainda para fazer com que Reeve pague por tudo que fez ela passar.

O que vemos nesse terceiro volume é uma Lillia ainda fraca demais, uma evolução incrível de Kat e uma Mary cada vez mais cega pelas consequências de seus atos de vingança. Ok, dá para entender que Reeve foi bem maldoso com ela e trouxe consequências terríveis, mas a forma com que Mary dá sequência aos seus planos, sem nem se importar com suas amigas, é um pouco exagerada.

É complicado julgarmos Lillia pelas suas decisões em relação ao seus sentimentos. Ela não tem “culpa” por sentir-se atraída por Reeve, mas tem a consciência pesada por, de certa forma, ter traído Rennie. Confesso que não gostava de Reeve até ver como ele pode sim tratar bem uma menina. Pelo menos é o que faz com Lillia, sempre a agradando e surpreendendo com suas atitudes.

Do outro lado temos Kat mais tranquila, sem se enroscar com ninguém. Aliás, muito pelo contrário: ela se mostra uma ótima amiga para Alex Lind, ajudando-o com sua inscrição para a universidade de música e dando diversas dicas. Ela até resolve ir para a pré viagem de formatura no barco do tio dele com diversas pessoas que ela nunca imaginou que um dia trocaria uma palavra. Ela é a minha personagem favorita e foi muito bom ver toda essa evolução dela. É uma personagem bem forte (o oposto de Lillia).

É Kat também a responsável por desvendar a maior parte do mistério de Mary e fazer com que elas façam tudo que for possível para evitar catástrofes maiores. Estou me coçando para não contar melhor o que acontece, mas não quero estragar nem um pouco, então vou deixar para vocês.

Ao contrário do segundo livro, a revisão desse está impecável (ainda bem, né). Dá até para perdoar um pouquinho a editora por ter demorado três anos para publicar a finalização; com certeza receberam algumas reclamações. A formatação é ótima, o papel é amarelado e o tamanho da fonte é ideal pois não cansa nem um pouco – é o mesmo padrão da trilogia inteira (desde a capa até a fonte usada para os novos capítulos).

Aquele resumo básico: se você leu o primeiro e segundo livros, com certeza tem que ser o terceiro para encontrar diversas respostas de questões que foram ficando no ar ao longo da história. Se você estiver no colégio, essa trilogia se enquadrará melhor na sua lista de leituras pois tem muitos pontos “colegiais”. Eu li rapidamente os três, porém se tivesse lido há uns 10 anos, teria gostado mais.

Fogo contra fogo – Fire with fire
Páginas: 352 Editora: Novo Conceito Nota: ★★★★☆

Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o site Livros em Série.


Resenha: O bebê de Bridget Jones: Os diários – Helen Fielding

Em 16.03.2017   Categoria: Resenhas

ATENÇÃO! SE VOCÊ NÃO LEU “O DIÁRIO DE BRIDGET JONES” NEM “BRIDGET JONES: NO LIMITE DA RAZÃO” E NEM “BRIDGET JONES: LOUCA PELO GAROTO” ESSA RESENHA PODE CONTER SPOILERS.

O bebê de Bridget Jones: Os diários é o quarto livro da série Bridget Jones da autora britânica Helen Fielding e, assim como o primeiro e o segundo, também já ganhou adaptação cinematográfica. Na verdade, o filme acabou saindo antes do livro, o que é um tanto quanto estranho para os fãs da série literária. O livro muda um pouco o formato em relação aos outros dois, uma vez que ela está escrevendo um diário para seu filho ler quando ficar mais velho. Ela diz que vai entregar este e os outros diários que ela escreveu ao longo dos anos para ele entender um pouco da vida maluca dela.

Não estranhe que eu esteja resenhando o quarto livro antes do terceiro. Não esqueci dele não! Acontece que, estranhamente, o terceiro livro, “Bridget Jones: Louca pelo garoto”, se passa no futuro, com Bridget aos 50 anos, já com filhos e tudo mais. Acredito que, se a autora tivesse pensado antes na história deste aqui (que pelo jeito só foi publicado por conta do filme), ela teria lançado na ordem “correta”. O que estou querendo dizer é que não importa a ordem de leitura entre o terceiro e quarto livros, OK?

Bridget viveu diversas situações nos anos que se passaram. Ela quase casou com Mark Darcy, quase se envolveu novamente com Daniel Cleaver e quase se livrou de seu chefe-machista, Richard Flinch. Encontramos nossa protagonista a caminho do batizado de Molly, a filha mais nova de Magda, que será sua nova afilhada – e afilhada também de Mark. Ela não o vê há cinco anos e não sabe se está preparada para este “evento”, mas tenta encarar como apenas mais um batizado (aparentemente ela tem uma grande coleção de afilhados).

É óbvio que tudo era lindo na teoria, mas quando ouviu comentários sobre Mark estar divorciado, aquela “chama adormecida” reacendeu, uma coisa levou à outra e, de repente, lá estavam eles novamente na cama, como se nada tivesse mudado nos últimos cinco anos. Pena que Mark não quis levar adiante e voltamos à Bridget rejeitada e velha demais para seguir em um relacionamento. Ou será que não?

Como o destino gosta de brincar com os sentimentos das pessoas, Bridget acaba cruzando com Daniel em uma festa de premiação e, assim como aconteceu com Mark, uma coisa levou à outra e, de repente, lá estavam eles novamente na cama.

Já dá para imaginar a zona, não é? Bridget obviamente descobre que está grávida e fica louca sem saber quem pode ser o pai. Daniel teria capacidade de seguir com um comprometimento desses? Bridget conseguiria criar um filho junto de seu ex-chefe galinha e irresponsável? E Mark? Ele seria um ótimo pai, mas qual seria sua reação ao saber que tem 50% de chance de ser pai e os outros 50% são de Daniel, o cara que ele mais despreza no mundo?

Pelo fato de Bridget estar em uma idade avançada, sua gravidez é de risco e, para fazer um teste de DNA seria necessário realizar uma amniocentese. Como existe um pequeno risco de aborto ao realizar este “exame”, Bridget decide não seguir em frente e só descobrir quem é o verdadeiro pai de seu filho quando ele nascer. OK, decisão justa, mas como contar para os dois o que está acontecendo?

O que segue é um relato divertido de Bridget indo a exames de ultrassom com Mark e Daniel (separadamente), fazendo aqueles cursinhos básicos de como cuidar de recém nascidos – os três juntos e, claro, tendo que contar a sua mãe sobre a situação toda (o que não será nada fácil) – além do seu trabalho que poderá ser afetado tanto pela gravidez quanto pela nova “chefe” que chegou ao departamento.

Só ficamos realmente sabendo quem é o pai após o nascimento do bebê, mas rola aquela torcida para que seja de um deles… Apesar de a cada capítulo conhecermos diversos lados dos dois e mudarmos de opinião toda hora, no final queremos que seja especificamente um deles e que isso faça com que Bridget tenha um futuro melhor do que seu passado e presente. Um filho pode trazer diversas alegrias e torcemos pela felicidade dela, certo?

Dos três livros que li da série esse foi o que mais gostei. Incrivelmente eu li em 2 dias (porque precisava trabalhar, senão acho que teria lido em uma “sentada”) e fluiu bem. Me vi até rindo! Não sei se pelo fato de ter sido escrito na ~atualidade~ (já que o primeiro foi escrito há 20 anos), mas a história fluiu bem mais facilmente do que as outras.

Assisti ao filme há alguns dias e fiquei super decepcionada. Mudaram bastante a história, colocaram um novo personagem no meio (Patrick Dempsey) e isso meio que perdeu a essência da “graça” de ter dois arqui-inimigos brigando pela paternidade de um filho. Sei que Hugh Grant teve diversos problemas e teve que deixar de atuar, mas podiam ter feito algo diferente – já que Helen demorou tanto para escrever o livro e o lançou após a estreia do filme, podia muito bem ter seguido o mesmo “roteiro” no livro, né? Ou vice-versa. Enfim, para quem for assistir ao filme, não importa se lerá antes ou depois, já que são histórias praticamente diferentes.

O bebê de Bridget Jones: Os diários – Bridget Jones’s Baby: The Diaries
Páginas: 208 Editora: Paralela Nota: ★★★☆☆

Aviso Legal: Esse livro foi cedido pela editora responsável pela publicação no Brasil como cortesia para o site Livros em Série.


Página 1 de 4312345... 43Próximo