Resenha: O Código Bro – Matt Kuhn #DLdoTigre

Resenhas • 27.08.2014  

ocodigobro O Código Bro só fará sentido para você caso você seja fã da série How I Met Your Mother ou se pelo menos conhece algo sobre Barney Stinson. Para quem conhece, sabe muito bem sobre o que é ser um bro e esse livro é uma compilação de regras sobre ser um bro.

Com páginas leves e uma diagramação bem feita, você consegue terminar esse livro em horas – mas tente não fazê-lo, senão vai terminar rápido demais e ficar com saudade. Ou faça e leia e releia quantas vezes quiser! É sempre bom ter um pouco de Barney Stinson no nosso dia-a-dia, né? Eu li devagar para aproveitar bem e intercalei com a leitura de outro livro para não acabar tão rápido: como ele é dividido somente em regras, você quer saber sobre todas elas de uma vez só, sem parar.

Escolhi esse livro para o Desafio Literário do Tigre de Agosto, em que o tema é Risos, por ter certeza que me arrancaria boas risadas – além de curar a minha ressaca literária. Não deu outra, me peguei lembrando de vários episódios do seriado e rindo das situações que as personagens se metiam e relembravam das regras de ser um bro.

Não dá para falar muito sem citar qualquer regra porque o livro é “só” e “tudo” isso. Se comentar sobre algo, vou acabar estragando ou dando spoiler. Só sei que algumas regras são meio machistas, mas compensadas quando ditas que “até uma mulher pode ser um bro“.

Se você não conhece a série, aproveite que ela acabou chora em Março desse ano e está disponível no Netflix e assista de uma vez! Os episódios têm 20 minutos e quando você vê, já assistiu a temporada toda em uma semana! Eu, pelo menos, assisti 8 temporadas em dois meses para ficar em dia e assistir ao último episódio chora2 no mesmo dia que foi lançado. É uma ótima saída para risadas, confie em mim!

O Código Bro – The Bro Code
Páginas: 208 Editora: Intrínseca Nota: ★★★★★


Resenha & Crítica: O Noivo da Minha Melhor Amiga – Emilly Giffin #DLdoTigre

Filmes, Resenhas • 08.04.2014  

O Noivo da Minha Melhor Amiga

Demorei para fazer essa resenha porque a proposta para o mês de Março do Desafio literário do Tigre 2014 era ler um livro que você já tinha assistido o filme. Eu sempre enrolei para assistir O Noivo da Minha Melhor Amiga porque queria ler antes e no final das contas tive que assistir antes de ler e só posso dizer que: nunca mais faço isso! É muito ruim assistir um filme antes de ler o livro, porque quando você pega o livro você fica pulando as partes que viu no filme e a leitura não flui de jeito nenhum.

Não consegui terminar de ler o livro, mas não quero deixar de publicar a resenha (apesar de Março já ter acabado e o prazo também…), porque sei que não vou conseguir lê-lo inteiro. Pulei várias partes, dei uma olhada no final e posso dizer que o filme foi um tanto quanto fiel na medida do possível de uma adaptação cinematográfica com menos tempo de duração do que o livro.

CONTINUE LENDO »


Resenha: @mor – Daniel Glattauer #DLdoTigre

Resenhas • 28.01.2014  

@mor

@mor é um livro que estava há um bom tempo na minha estante e se encaixou perfeitamente tanto no Desafio Literário do Tigre quanto no Read-A-Thon BR especial por ser um livro de leitura fácil e que fluiu muito bem. A história me agradou bastante e vou tentar contar um pouquinho aqui, mas já adianto que para entender bem o enredo, só lendo mesmo.

Em @amor conhecemos Emma Rothner, que está tentando cancelar a assinatura de uma revista e acaba digitando o endereço de e-mail errado. Isso faz com que o e-mail com o pedido de cancelamento caia na caixa de entrada de Leo Leike. Após ser avisada do engano, Emma envia o e-mail para o endereço correto e fim. Bem, é isso por pelo menos 9 meses, até que Emma envia um e-mail para os seus contatos (com Leo entre eles):

Sem assunto

Feliz Natal e Próspero Ano Novo.
É o que lhe deseja Emmi Rothner

Dois minutos depois

Fw:

Cara Emmi Rothner, nós mal nos conhecemos ou não nos conhecemos absolutamente. Contudo, agradeço pelo seu afetuoso e muitíssimo original e-mail coletivo! É preciso que a senhora saiba: eu amo e-mails coletivos, enviados a um coletivo ao qual eu não pertenço.
Sds, Leo Leike

É com essa indignação de Leo por ter recebido um e-mail coletivo que eles começam a se falar e se conhecerem melhor.

@mor

Sim, o livro é inteiro feito das trocas de e-mails entre Emmi e Leo. Conhecemos um pouco da personalidade de ambos enquanto eles se conhecem e vemos os problemas que eles têm. Emmi é casada, tem dois enteados e vive muito bem. Já Leo acabou de sair de um relacionamento perturbado e está solteiro, mas não necessariamente procurando alguém. Eles conversam sobre isso tudo, Emmi pede para Leo contar do seu recém relacionamento terminado, fica com ciúmes quando ele se encontra novamente com a ex e até sente saudade quando ele fica muito tempo sem respondê-la.

Eis então que eles têm a grande ideia de se encontrarem, sem falarem um com o outro. Eles estipulam um intervalo de horário em um dia para ir a um café da cidade, para tentarem se reconhecer. Não, não vemos essa cena, somente o comentário sobre o dia por e-mail depois. Emmi e Leo tentando adivinhar quem era quem, no meio de tantas pessoas diferentes e possíveis – ou impossíveis. Esse desejo de se conhecerem pessoalmente vai aumentando a cada página do livro, a cada gole de vinho e whisky que tomam “juntos” ao longo da noite, mas não chegam realmente a se encontrar por medo de acabar com o encanto de quem eles são ou acham que são.

@mor

É incrível como Daniel conseguiu descrever e caracterizar os personagens através de pequenas mensagens de um para o outro, como consegui criar uma Emmi e um Leo em minha imaginação e como torci para que eles fiquem juntos, que se conheçam pessoalmente e que deem certo – apesar de em alguns momentos ficar pensando na vida de Emmi, em seu marido e filhos, em que fiquei dividida em definir se isso tudo era uma traição ou não, já que não havia, de fato, acontecido alguma coisa.

Escrever é como beijar, só que sem os lábios. Escrever é beijar com a cabeça.

@mor

Que nada! Eles estão se apaixonando a cada e-mail enviado/recebido, então, de alguma forma, acredito que seja uma traição inconsciente, mas, sinceramente, como não amar alguém que escreve tão bem e consegue fazer com que você se sinta tão bem com apenas um e-mail? Não dá para colocar toda a culpa em Emmi, afinal.

Posso ter gostado tanto assim da história por já ter passado por uma situação muito parecida e que, no final, infelizmente (ou felizmente?), não deu certo, mas torço para que com eles dê, porque não há amor mais verdadeiro do que o que começa conhecendo a pessoa como ela é, sem aparência, tiques ou cor dos olhos, apenas com a sua personalidade.

Leia, você não vai se arrepender, muito pelo contrário! Você lerá tão rápido que mal vai perceber que acabou de ler uma história tão complexa. Eu amei esse livro, pode ter sido um dos melhores que já li e mal posso esperar pela continuação (estou aceitando de presente!).

@mor – Gut Gegen Nordwind
Páginas: 184 Editora: Suma de Letras Nota: ★★★★★