Resenha: O Amor Mora ao Lado – Debbie Macomber

Resenhas • 01.03.2014  

O Amor Mora ao Lado

Uma gata, um gato e dois donos que são vizinhos e nunca se falaram devidamente. Uma paixão que estava escondida por trás das paredes que dividem os apartamentos dos dois. Um romance leve e sem muitas pretensões de Debbie Macomber.

Em O Amor Mora Ao Lado, como o próprio título já diz, conhecemos dois vizinhos de apartamento, parede com parede, de um lado Lacey Lancaster e do outro Jack Walker.

Falando primeiramente sobre Lacey: ela se mudou após um divórcio que a fez desistir do amor, de encontrar com um homem e todo aquele drama pós-traição. Após um ano de divórcio e mudança, vivendo apenas com sua gata,Cleo, Lacey passa vários dias escutando a briga de Jack, seu vizinho, com a namorada. As paredes são suficientemente finas para ela ouvir a discussão e coisas quebrando. Ela nunca reclamou, mas quando resolveu fazê-lo, não percebeu que o gato do vizinho, Cão, havia entrado em seu apartamento, indo diretamente em direção a Cleo – e pior: engravidando-a.

O Amor Mora ao Lado

Quando Lacey descobre que sua gatinha está grávida, bate à porta de Jack para enfrentá-lo e pedir para que seja responsável pelo menos pela gravidez de Cleo, que ele, de alguma forma, também faz parte. E pronto, isso já o suficiente para os dois começarem a gostar um do outro (apesar de Jack já ter paquerado Lacey algumas vezes, sem sucesso). Há um mal entendido sobre a namorada de Jack e esse é um dos únicos problemas “resolvidos” durante o livro (ou melhor, os primeiros capítulos).

Lacey tem medo de se envolver com outra pessoa e pensei que ela iria com calma nessa relação, mas mal pisquei e ela já está agarrada a Jack, contando sobre seus desafios profissionais e ele contando à ela sobre os assuntos de família e tudo mais.

Gostei da diagramação do livro, os inícios dos capítulos são uma gracinha e tem gatinhos espalhados pelo livro todo. A fonte bem grande e o espaçamento na medida certa, fez com que o livro parecesse ter menos de 100 páginas.

O Amor Mora ao Lado

Não dá para falar muito mais sobre o livro, que tem 139 páginas (as últimas trazem o primeiro capítulo de outro livro de Debbie), sem contar todos os acontecimentos da história. Então, deixo aqui um quote e meu convite para você ler esse livro somente se estiver procurando uma leitura leve e sem pretensões.

-Também não quero ir.
– Então, por que estamos indo?
– Porque não aguento ficar mais um minuto sem beijar você. E fazer isso no meio de Chinatown pode deixá-la constrangida.

página 61.

O Amor Mora ao Lado

Apesar de ter lido esse livro em pouquíssimas horas, não foi algo que me prendeu totalmente exatamente pela falta de desenvolvimento dos fatos que foram acontecendo ao decorrer da história. Muitos problemas foram jogados nas páginas e, quando você acha que ele vai ser explicado/resolvido, ou mais um problema é lançado ou o livro acaba.

Talvez por esse livro ter sido escrito há 20 anos, a autora, ao conseguir lançá-lo em 2011, deveria ter feito alguns ajustes. Pode ser coisa minha, mas a história está mais para um conto do que para um livro realmente dito.

O Amor Mora ao Lado – Family Affair
Páginas: 160 Editora: Novo Conceito Nota: ★★★☆☆


Resenha: O Céu Está Em Todo Lugar – Jandy Nelson #DLdoTigre

Resenhas • 25.02.2014  

O Céu Está em Todo Lugar

Lennie está de luto por ter perdido sua irmã, não consegue entender como vai viver sem a companhia e presença dela, como vai seguir seus sonhos se eles dependiam dela. Mas o que Lennie não sabe é que aos poucos vai perceber que pode, sim, seguir a sua vida e ser feliz sem esquecer-se de sua irmã.

Em O Céu Está Em Todo Lugar conhecemos Lennie, uma menina que acabou de perder a sua irmã mais velha, Bailey, e não sabe o que fazer sem ela. Ela está de volta à escola e está morrendo de medo do que as pessoas lhe dirão, mas ao encontrar com o novo menino da banda, Joe Fontaine e sua indiferença com ela, por não saber sobre Bailey, ela sente-se um pouco mais aliviada – até o momento que ele começa a tocar e todos, até o professor, ficam de queixo caído. O menino tem talento – e muito. Ela se encanta por ele, mas logo esvazia sua cabeça porque Rachel, colega de banda, já está em cima dele e Lennie tem que se “concentrar” em seu luto.

O Céu Está em Todo Lugar

Lennie vive com a vovó e seu tio, Big. Ela e sua irmã foram parar na casa da vovó quando sua mãe, Paige, as abandonou para “viver uma aventura” pelo mundo. Todos os dias após a morte de Bailey, a rotina deles é a mesma: tomar chá, almoçar, chá da tarde e jantar com o mesmo gosto de cinzas em todas as refeições. Eles não conseguem conversar, nem sobre o que aconteceu ou sobre outra coisa, todos estão tristes pela ida de Bailey. Até que o ex-namorado de Bailey, Toby, resolve, finalmente, aparecer na casa da vovó para conversar com Lennie. E é aí que as coisas começam a acontecer.

Como está escrito na capa, “Eu deveria estar de luto, não me apaixonando”, já dá para ter uma ideia do que Lennie vai enfrentar: uma paixão fora de hora. Mas quem disse que tem hora certa para isso? Não é quando menos esperamos que o amor aparece?

O Céu Está em Todo Lugar

Toby parece ser o único que entende pelo que Lennie está passando, ambos perderam a coisa/pessoa mais importante da vida deles e eles tentam se consolar. Porém, o consolo vai além do que Lennie imaginava, ela quer tocar Toby, beijá-lo, sentir-se o mais próxima possível de Bailey, e ele parece sentir exatamente as mesmas coisas que ela. Eles estão tão incompletos, sem a metade deles, que juntos podem conseguir sentir-se, novamente, inteiros.

Mas Lennie não consegue parar de pensar em o que sua irmã pensaria dela, se envolvendo com seu namorado. Lennie não era assim, ela não faz esse tipo de coisa. E é aí que Joe aparece para salvá-la, sendo apaixonante e super fofo, aparecendo todas as manhãs na casa da vovó com croissants e seu violão, tentando animar a todos. Lennie fica, então, presa nesse triângulo amoro enquanto deveria estar de luto por Bailey.

O Céu Está em Todo Lugar

A tristeza é uma casa
em que as cadeiras
se esqueceram de como nos segurar,
os espelhos de como nos refletir,
as paredes como nos conter.
A tristeza é uma casa que desaparece
cada vez que alguém bate à porta,
uma casa que se vai com o vento
à menor rajada,
que se enterra no solo
enquanto todos estão dormindo.
A tristeza é uma casa em que ninguém pode
proteger você,
em que a irmã caçula
vai envelhecer mais que a mais velha,
em que as portas
não deixam mais você entrar
nem sair.

página 115

Ao longo de todo o livro temos poemas de Lennie escritos em papéis, árvores, copos descartáveis, livros, paredes de banheiro… Onde ela estiver e quando sentir vontade de se expressar. São as partes mais bonitas do livro e me encantei com vários poemas e lembranças de Lennie.

O livro gira em torno da grande dúvida de Lennie (ou John Lennon, como a apelidou o querido Joe) em se dividir entre o luto, a paixão, a dúvida e à procura pela sua mãe . Ela quer ser feliz, mas sempre que se sente assim, fica mal por não poder compartilhar com Bailey; afinal, elas eram melhores amigas e contavam tudo uma à outra – ou era isso que Lennie pensava, pelo menos.

Apesar de em alguns momentos a leitura ficar um tanto quanto arrastada, o enredo e as personagens fazem com que você leia um capítulo atrás do outro procurando por mais sentimentos deles e tentando adivinhar como Lennie lidará com todas as situações.

O Céu Está em Todo Lugar

– Bailey, você gosta mais da vovó do que de mim?
– Não.
– Do tio Big?
– Não.
– E do Toby?
– Não amo ninguém mais do que você, está bem?
– Eu também não.
– Então estamos resolvidas.
– Você nunca vai desaparecer como a mamãe?
– Nunca.
– Promete?
– Meu Deus, quantas vezes preciso dizer que nunca vou desaparecer como a mamãe. Agora volte a dormir.

página 269

Não tem como falar sobre esse livro e não comentar da diagramação lindíssima. Com o texto em azul, um espaçamento certo dos lados direito, esquerdo, em cima e embaixo, além, claro, das páginas que trazem os poemas de Lennie, super bem feitas. Até a capa é diferente, não chega a ser hardcover, mas também não é totalmente mole. Enfim, a Novo Conceito está de parabéns pela produção desse livro e acho que deveriam apostar mais nesse estilo para as demais publicações.

O Céu Está em Todo Lugar é um livro para quem gosta de romances água com açúcar com uma pontada de drama e que não se importa em chorar em passagens bobinhas do livro. Acredito que, mesmo pela quantidade grande de páginas, eu conseguiria ter lido em um dia – o que me impediu de fazer isso, infelizmente, foi o trabalho.

O Céu Está em Todo Lugar – The Sky Is Everywhere
Páginas: 424 Editora: Novo Conceito Nota: ★★★★★


Resenha: Dente Por Dente – Jenny Han & Siobhan Vivian

Resenhas • 15.02.2014  

Dente Por Dente

Dente por Dente é o segundo livro da trilogia “Olho por Olho”. Se você ainda não leu Olho por Olho, essa resenha pode conter spoilers do primeiro volume. Para conferir a resenha de Olho por Olho, clique aqui.

Após o incidente (ou acidente?) no homecoming, Lillia, Kat e Mary já não têm tanta certeza se o que fizeram foi certo. Reeve, o garoto que elas queriam se vingar, se machucou mais do que o necessário depois do que Mary fez involuntariamente (ou não) e agora não poderá mais fazer parte do time de futebol americano da escola e sua bolsa de estudos para a faculdade está em risco. O problema é que tudo isso não resolveu nada, Reeve está até mais insuportável e arrogante do que antes, o que não achei que seria possível. Como brinde, Reenie não olha mais para a Lillia por ela ter ganhado a coroa de rainha do homecoming – e um beijo de Reeve, é claro. Felizmente, agora Lillia tem duas novas amigas e fará o que estiver ao seu alcance para terminar a vingança com Reeve, por Mary.

Dente Por Dente

Nesse segundo livro conhecemos um pouco mais sobre esse novo trio vingativo, como a história de Kat com Reenie, Lillia com Alex e Mary com a sua tia. No meio de tantas revelações do passado, as meninas ainda têm que concluir o plano de vingança sobre Reeve, com um detalhe que escapou por Lillia e Kat, mas não dos olhos de Mary. Acho que se eu contar, será spoiler, então só vou comentar que gostei do plano inicial, mas não da forma que ele se desenrolou. Achei Lillia uma personagem muito fraca nesse volume e bem ceguinha – ou talvez centrada demais em sua beleza, popularidade e mimadisse(?) para dar a atenção necessária ao plano. Tinha momentos que queria dar uns bons tapas nela e queria que Kat estivesse em seu lugar, ela saberia o que fazer muito melhor do que Lillia.

Dente Por Dente

Não sei se li esse livro em uma época errada, acho que se tivesse lido quando estava no colegial, acharia tudo muito mais interessante, mas simplesmente fiquei entediada com muitas passagens “adolescentes demais” durante a história. Gostaria de ter visto mais de Kat, por ser minha personagem favorita, mas o livro tem um pouco mais de foco nos problemas de Mary e em como Lillia faria para ajudá-la. Claro que tenho que ressaltar uma das melhores partes, que foi a noite de Halloween, onde Mary fica cara a cara com Reeve e também eleva um pouquinho sua auto estima (apesar de ser por pouco tempo).

Confesso que tenho arrepios com a sua tia, mas que o desfecho dele talvez explique muita coisa do que ela fez durante o primeiro e o segundo livros. Ainda tem muita história para ser desenrolada e tenho até medo de ver o tamanho do terceiro livro da trilogia. Se esse já teve mais de 500 páginas, imagina o próximo que tem que juntar todas as pontas que foram deixadas soltas nesse?

Dente Por Dente

Eu sempre leio algumas resenhas antes de sentar para escrever as minhas e dessa vez discordei muito com a maioria das que eu li. Quase todo mundo disse que amou esse segundo livro, que o final foi chocante e que mal podem esperar pelo terceiro… Bem, claro, mal posso esperar para terminar a trilogia, mas sinceramente não gostei nem um pouco do desfecho dele e não caí na enrolação toda das autoras para terminar daquele jeito sem ter uma explicação melhor. Olho por Olho teve muito mais ação e a leitura fluiu muito melhor. Achei 500 páginas totalmente exagerado, eu conseguiria diminuir pelo menos metade da história para não deixar tanta ponta solta. Realmente espero que o próximo livro consiga ser bom o suficiente para concluir tudo que foi falado no segundo livro sem deixar nada esquecido ou mal resolvido.

Dente Por Dente

Infelizmente não posso terminar essa resenha sem falar sobre a minha grande decepção na revisão desse livro. Fiquei inconformada com muitos dos erros que encontrei, erros que qualquer bom revisor deveria ter notado. Confesso que, sim, atrapalhou a leitura. Erros como “a” ao invés de “há” e por aí vai…

Dente Por Dente – Fire With Fire
Páginas: 512 Editora: Novo Conceito Nota: ★★★★☆


Página 4 de 211 ...12345678... 21Próximo