Resenha: A Vingança de Mara Dyer – Michelle Hodkin

Resenhas • 18.02.2016  

ATENÇÃO! SE VOCÊ NÃO LEU “A DESCONSTRUÇÃO DE MARA DYER” E “A EVOLUÇÃO DE MARA DYER” ESSA RESENHA PODE CONTER SPOILERS.

Capa A Vingança de Mara Dyer A Vingança de Mara Dyer é o terceiro e último livro da trilogia de Michelle Hodkin. Os outros livros já foram resenhados aqui: A Desconstrução de Mara Dyer e A Evolução de Mara Dyer. Confesso que rolou um certo receio de lê-lo, o que normalmente acontece com todo e qualquer “último livro” (pelo menos comigo), mas em um balanço geral foi um bom desfecho.

Assim como o segundo livro, esse aqui começa exatamente do ponto em que o anterior parou: Mara ainda internada no Horizontes aos “cuidados” da Dra. Kells, que não para de realizar experimentos com a garota. Porém, isso não dura muito: Mara consegue fugir com uma ajuda não tão confiável, Jude (sim, seu ex-namorado e ex-morto) e acaba conseguindo levar Jamie e Stella junto dela. Quem está faltando é Noah e, apesar de todos falarem o tempo todo que ele está morto, no fundo ela acredita que ele esteja vivo – caso contrário, ela sentiria alguma coisa, não sentiria?

Em paralelo à busca por Noah, eles precisam descobrir o que está acontecendo com eles e porque a Dra. Kells ainda os mantinha presos na clínica. A cada pista que eles encontram, as coisas vão ficando piores e tomando um tamanho inimaginável. O desenrolar dessa descoberta não me agradou muito – toda a razão por trás do que acontece com Mara e os demais foi muito rasa. De qualquer forma é uma explicação, mas pelo desenrolar da trilogia poderia ser algo bem mais evoluído e bem formulado…

O livro segue ainda narrado em primeira pessoa por Mara e com os flashbacks que tivemos contato no 2º livro, de uma pessoa que tem uma grande conexão com Mara, mas que só é revelada na metade do livro (apesar de ser bem óbvia). Jamie fica um pouco mais em evidência nesse livro e isso é um ponto positivo – gosto bastante da personagem e achava que tinha faltado um destaque para ele nos outros dois. Stella é praticamente irrelevante e se confirma assim em um momento crucial do livro. Alguém que volta a aparecer é Daniel, irmão de Mara, que tem um papel bem importante na busca pelo “problema”(?) de Mara e dos demais.

Não consigo ser mais detalhista nessa resenha porque qualquer palavra dita a mais pode virar um spoiler. O que posso adiantar é que esse livro não segue a mesma linha de thriller do restante da trilogia, já que é bem mais focado no psicológico tanto da trama quanto das personagens. Vi muita gente reclamando que a Mara ficou um pouco irritante por se preocupar apenas com Noah e quase nada com seus companheiros de “busca implacável” ou com os problemas que eles têm/tiveram, mas acho que dá pra superar, não vai atrapalhar a leitura.

Resumindo: o desfecho foi bem inferior ao que a trilogia tinha como proposta, mas muitas perguntas foram respondidas e, mesmo que de forma rasa, os “problemas” tiveram explicações. As personagens não foram tão bem construídas como deveriam, mas não interferiu no desenrolar da história. Os flashbacks poderiam ter sido mais sucintos, diretos e interessantes, apesar de serem necessários para clarear as explicações.

O livro é bom, a trilogia também, mas minha expectativa era muito alta e acabou me decepcionando um pouco. De qualquer forma, estou ansiosa por novas histórias da autora, porque ela conseguiu me prender muito bem com sua escrita impecável.

A Vingança de Mara Dyer – The Retribution of Mara Dyer
Páginas: 378 Editora: Galera Record Nota: ★★★★☆


Resenha: Billy & Eu – Giovanna Fletcher

Resenhas • 13.04.2015  

billy&eu Billy & Eu é o primeiro romance de Giovanna Fletcher, mais conhecida como a esposa de Tom Fletcher, o vocalista da banda McFLY, mas que está se saindo muito bem em tentar ser conhecida como escritora e não mulher de um artista. Ela tem muito potencial e já começou bem demais.

Quando foi anunciado que o livro seria lançado em português, fiquei sabendo em primeira mão pela Phorte Editora por conta do site que eu administro, o McFLY Wonderland, o primeiro fã site brasileiro do McFLY #momentojabá e fiquei extremamente feliz! Já tinha um tempo que eu queria conhecer o trabalho da Gi oi, intimidade, mas ficava enrolando esperando alguma promoção pra poder importar o livro (aí a Livraria Cultura resolveu trazer pras lojas físicas, mas já era tarde demais). A editora entrou em contato comigo para divulgar essa novidade e de quebra recebi um exemplar em casa para também conhecer a história – e ter um primeiro contato com o trabalho da editora.

Billy & Eu é um romance clichê delicioso que conta a história de Sophie May, uma menina de xx anos que trabalha em uma casa de chá, a Tea-On-The-Hill, na cidadezinha de Rosefont Hill. Apesar da oportunidade de ingressar na faculdade, Sophie optou por continuar na cidade ao lado de sua mãe, que é dona de uma livraria, e resolveu trabalhar ao lado de Molly Cooper, a dona da casa de chá. Juntas, elas dão altas risadas e atendem todos os dias a mesma clientela, que adora os bolinhos recém-assados e não dispensa um bom chá.

Nada de muito interessante acontece nada, mas é quando os rumores de que ela se tornará o cenário das gravações da adaptação para cinema do clássico de Jane Austen, Orgulho e Preconceito, que todos começam a sonhar com os atores. Sophie é a única que não fica muito contente porque é o seu livro favorito e ela não quer que estraguem fazendo um filme… Só aceitaria se o Sr. Darcy fosse o Jude Law, seu ator favorito, mais ninguém seria bom para o papel.

Até que em um belo dia um homem lindo entra na casa de chá e faz o coração de Sophie balançar. Ela nunca o viu ali e deve imaginar que ele faça parte da equipe que chegou para as filmagens. Ela é muito tímida, mas ele trata logo de tentar puxar conversa com ela. Após uma gafe da nossa protagonista, ela acaba descobrindo que o tal homem é Billy, o ator que fará o papel do Sr. Darcy.

Como todo bom e clichê chick lit, você já deve ter adivinhado o que acontecerá a seguir, né? É isso mesmo… Os dois acabam se envolvendo. E muito. Mas não é nada fácil namorar alguém famoso. Giovanna entende bem disso, afinal, ela namorou Tom Fletcher por 7 anos… É bom ler algo escrito por alguém que vivenciou as experiências na própria pele, deixa tudo mais real, sabe? Apesar de no início no namoro, o Tom ainda não ser famoso, ela com certeza passou por muita coisa (e ainda passa) por conta dessa fama.

Voltando ao livro… É quando esses obstáculos e dificuldades aparecem que Sophie começa a se sentir mal. Ela até muda de cidade! Ela vai para Londres, uma cidade grande, bem diferente de Rosefont Hill, tentar acompanhar a carreira de Billy, mas nem tudo é do jeito que ela sempre sonhou e a mídia não é tão boazinha assim com namoradas de famosos… Além disso, o novo papel de Billy (o motivo de Sophie ter se mudado), não é dos que ela mais aprova e é durante uma visita sua ao set de filmagem que tudo sai do controle.

A história ainda dá muitas reviravoltas, o passado de Sophie é mencionado de um jeito que ela não gostaria e seus problemas vem à tona quando não deveriam. Alguns problemas na cidadezinha dela também a deixam muito abalada e sua relação com Billy não está mil maravilhas.

O livro é dividido em quatro partes e todas são bem construídas, porém acho que faltou um pouco de aprofundamento em alguns temas e personagens. Nada que estrague a leitura, mas seria um bom adendo, sustentaria mais a história. Quanto à edição, gostei muito do trabalho da editora, as folhas são grossas e a fonte de um tamanho bom, a diagramação é básica e a revisão foi muito boa, quase impecável. Só senti falta de uma coisinha: orelhas. Tenho um certo problema com livros sem orelhas, mas acredito que quiseram manter o livro o mais próximo possível do original – tanto que as folhas lembram muito as de paperback americanos. No geral, estão de parabéns.

Se você é fã de chick lit e quer conhecer uma nova (e boa) escritora, fica aqui a minha indicação. Tenho certeza de que não irá se arrepender. Eu já quero os próximos livros (ela já lançou mais 2), espero que a Editora Phorte lance todos por aqui!

Billy & Eu – Billy & Me
Páginas: 368 Editora: Phorte Nota: ★★★★☆

Aviso legal: Esse livro foi cedido pela editora para o site McFLY Wonderland.


Resenha: Emmi & Leo: A Sétima Onda – Daniel Glattauer

Resenhas • 19.01.2015  

emmieleo Emmi & Leo é a continuação do livro @mor (já resenhado aqui), de Daniel Glattauer, e eu nem acredito que finalmente consegui lê-lo!

Deixa eu contar a historinha: eu estava doida atrás da continuação desde que li a última frase do primeiro livro, mas nunca achava e/ou sempre estava caro. Daí eu baixei no Kindle e a versão que veio era meio português de Portugal e meio português (ou quase isso) do Brasil. Terrível, né? Fiquei revoltada e deixei quieto, até que… Eu ganhei de amigo secreto no final do ano da linda da Fran <3 UHUL! Li esse livro durante a minha viagem de trem de Toronto para Quebéc (de d e z horas) agora nas férias. É um livro delicioso para ler assim, rapidinho, em um tempo super livre e tranquilo. Ele segue o mesmo estilo do primeiro, em forma de e-mails. A diferença é que agora Emmi & Leo se conhecem pessoalmente, mas não ficamos sabendo detalhadamente sobre esse encontro, só o depois e algumas impressões que um teve do outro que são comentadas nos e-mails.

Eu não tenho muito o que falar da história porque tenho medo de dar spoiler sem querer, mas o que posso dizer é que me surpreendi em algumas partes e em outras já tinha achado bem previsível (principalmente o final). Mas isso não quer dizer que o livro é ruim, de jeito nenhum, mas o autor poderia ter trabalhado um pouquinho mais nos acontecimentos e enrolado um pouco menos. Confesso que pulei algumas frases dos e-mails por estar meio cansada da história “você quer sair comigo, mas você é casada, você tem filhos, blablabla”.

Achei que a Emmi regrediu um pouco nesse livro, tinha vezes que esquecia quantos anos ela tinha e estava agindo como uma adolescente. Já o Leo, sempre charmoso, mas também um tanto quanto não decidido do que quer… Por isso que acho que eles se dão tão bem, são enrolados demais! haha

Eu sei que essa resenha ficou super sem graça, mas são somente 168 páginas e qualquer coisinha aqui pode estragar as surpresas da história. Se você ainda não leu, não sei como está aguentando! hahaha Leia logo, o final é fofo e a história tem várias reviravoltas.

Emmi & Leo: A Sétima Onda – Alle sieben Wellen
Páginas: 168 Editora: Suma de Letras Nota: ★★★★★


Página 1 de 212